bcend@bcend.com.br

+55 31 98456-0323

+55 31 3462-5668

bctrade2

250 vagas de emprego abertas em plataforma de petróleo

A Techint está construindo em Pontal do Paraná, no litoral paranaense, uma plataforma para exploração de petróleo em área de pré-sal para a Petrobrás. São 2,5 mil pessoas trabalhando no local, número que chegou a quase 4 mil em 2016. A previsão – e tudo caminha dentro do prazo – é entregar a demanda até o fim deste ano.

Nesta quinta-feira, 13, a empresa anunciou a abertura de mais contratações. Ao todo, de acordo com o processo de seleção, 250 novos trabalhadores serão contratados.

Vagas Disponíveis

A Prefeitura de Paranaguá informou que a empresa Techint está contratando 250 profissionais em Pontal do Paraná. A informação destaca, ainda, que os cadastros estão sendo realizados na Agência do Trabalhador. Ainda segundo a prefeitura, são 200 vagas para a função de ajudante e 50 vagas para maçariqueiros. Mas há possibilidade de abertura de oportunidades para outras funções.

O cadastro para candidatura está sendo realizado no Sine,  das 8h às 15h. A Agência funciona das 8h às 15h e fica aberta todos os dias úteis e estará aberta para os interessados nas 250 vagas de emprego oferecidas a partir desta quarta-feira (13).

Os candidatos devem comparecer ao Sine munidos de RG, CPF, Carteira de Trabalho e Comprovante de Residência. O espaço fica localizado na rua Faria Sobrinho, nº. 799, no centro de Paranaguá.

Plataforma de Petróleo

Para a plataforma P-76, o maior projeto da Techint já feito em Pontal do Paraná, a empresa já construiu 15 módulos de exploração de petróleo. Os módulos são instalados na parte superior do navio e são responsáveis pela separação do petróleo da água, do óleo, do gás e dos demais resíduos. Eles também fazem a compressão do gás, o tratamento de água e geração de energia. Na parte de dentro o navio, fica armazenado o petróleo extraído.

A construção dos módulos aconteceu entre 2014 e 2016 e neste ano as estruturas foram colocadas em cima do navio. Agora, falta somente interligar os módulos para que eles funcionem como uma única unidade. A previsão é terminar o trabalho até o fim deste ano.

Fonte: O Petróleo

Comentários (0) Mercado, Notícias, Vagas

Leia mais

Conheça os maiores centros industriais do Brasil

O Brasil é décimo maior parque industrial do mundo. Segundo a ONU, em 2009 a Índia superou o Brasil, ocupando a nona posição. Lá no topo, as três primeiras opções são ocupadas respectivamente pelos Estados Unidos, China e Japão. A China supera pela primeira vez na história o Japão para se tornar o segundo maior produtor de bens manufaturados do mundo.

No Brasil, os mais importantes polos industriais estão divididos da seguinte maneira:

Região Sudeste

São Paulo

Os grandes centros industriais do Brasil estão concentrados na região sudeste do país, tendo como destaque o Estado de São Paulo, precisamente na Grande São Paulo. Lá existe um centro polindustrial, formado por 39 municípios, entre eles o de São Paulo, constituindo o maior parque industrial da América Latina.

Os municípios do Grande ABC como Santo André, São Bernardo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e  Rio Grande da Serra também são de grande importância industrial para o Brasil. Osasco, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Suzano não ficam atrás, tendo grande destaque como pólos industriais.

Rio de Janeiro

A maior concentração do Estado do Rio de Janeiro está no Grande Rio, um grande centro polindustrial, com destaque para o setor naval e o turismo. Outros centros monoindustriais também merecem destaque como, Petrópolis, Nova Friburgo, Volta Redonda, Barra Mansa, Campos, entre outros.

Minas Gerais

O Estado de Minas Gerais é rico em recursos minerais, por isso destaca-se em grande centro metalúrgico e siderúrgico, situados na Grande Belo Horizonte (Belo Horizonte, Sabará, Nova Lima, Contagem, Betim) e nos municípios de Mariana, Santa Bárbara, Itabirito, Juiz de Fora, etc.

Região Sul

Rio Grande do Sul

A capital Porto Alegre é o maior destaque do Estado como centro poli-industrial, e como centros periféricos destacam-se Esteio, Canoas, Gravataí. Além desses, outras cidades ganham destaque, como: Caxias, Novo Hamburgo e Pelotas.

Paraná

O principal destaque vai para a região metropolitana de Curitiba, Ponta Grossa e Guarapuava.

Santa Catarina

No Estado de Santa Catarina destaca-se o centro mecânico de Joinville, o pólo ceramista de Criciúma, e indústria de embutidos de Chapecó, e o setor têxtil de Blumenau.

Região Nordeste

Recife

Destaca-se o distrito industrial do Cabo e os centros industriais: Paulista, Curado, Jabotão e São Lourenço da Mata.

Salvador

Destacam-se os distritos industriais de Aratu e Camaçari.

Ceará

Fortaleza é o grande destaque (pólo têxtil).

Regiões Norte e Centro Oeste

São as duas regiões com a menor participação na produção industrial, apenas 5%. Contudo, nos últimos anos houve um aumento na participação, destacando-se a região metropolitana de Belém do Pará, Manaus no Amazonas com a Zona Franca, e as indústrias de bens de consumo em Goiânia, Anápolis, Campo Grande, Corumbá e Brasília.

Comentários (0) Notícias

Leia mais

Sonda PEC para inspeção em fundo de tanque

A sonda PEC (Correntes Parasitas Pulsadas) da MAXWELL NDT é uma sonda plana para inspeção de chapas anulares de tanques de armazenamento utilizadas em inspeções em serviços, de fundo de tanque. Essa inspeção é muito valorizada porque auxilia no aumento do intervalo de inspeções entre paradas de tanques.

regua-sonda-pec-inspecao-fundo-tanque

Especificações da Sonda para Fundo de Tanque

Comprimento da Sonda: 370mm (14,5 “)
Largura: 45mm (1.8 “)
Altura: 7.5mm (0.3 “)
Faixa de espessura de parede: 20mm (0.8 “)
Lift-off máximo: 40mm (1.6 “)

Como é feita a inspeção por correntes parasitas pulsadas em fundo de tanque

A aplicação é possível graças à penetração de uma régua, presente na parte frontal da sonda, entre a base e o fundo do tanque. Com isso, a sonda percorre a área coletando os dados.

sonda-pec-inspecao-fundo-tanque-2

Essencial para a inspeção de chapas anulares, o equipamento de correntes parasitas pulsadas MAXWELL PECT é capaz de inspecionar através de grossas camadas de óxidos de corrosão (óxido de ferro), sob o assoalho do tanque. Sabe-se que a remoção dos óxidos de corrosão não é aceitável para situações de inspeção em serviço, uma vez que pode provocar vazamentos, e tal remoção é desnecessária para o MAXWELL PECT.

sonda-pec-inspecao-fundo-tanque-3

 

O gráfico abaixo representa um exemplo de resultado de uma inspeção em chapa anular com o MAXWELL PECT, mostrando uma significativa perda de material próxima à superfície do tanque. A área com corrosão estende-se sobre um comprimento de cerca de 80 mm neste caso.

grafico-sonda-pec-inspecao-fundo-tanque

Vantagens da Sonda PEC para inspeção em chapas anulares em tanques

  • Campo magnético compacto que aumenta a sensibilidade ao defeito.
  • Ampla gama de atendimento em termos de espessura de parede (2″) e espessura de camada de isolante, aplicado não somente em tubos mas também em tanques.
  • Incluindo pulsos de ciclo curto para altas espessuras de camada isolante. Permite varredura em casos de elevado lift-off.
  • Baterias de elevada autonomia com a função hot swap para troca sem necessidade de desligar o equipamento.
  • Extremamente robusto, projetado também para uso em ambientes externos; Muito fácil de usar no campo.

Comentários (0) Acessórios, Produtos, Sondas

Leia mais

Técnica de Ensaios Não Destrutíveis Núbia analisa rachaduras em aviões

O nome do cargo pode ser complicado para alguns, mas não para nós: técnica de ensaios não destrutíveis. Essa foi a profissão que Núbia Moreira Fernandes escolheu, atualmente ela analisa a estrutura dos aviões para detectar falhas que possam comprometer o funcionamento da aeronave. Seu trabalho determina se um avião pode ou não decolar.

“São testes para detectar uma trinca na fuselagem, numa pá de hélice”, diz. Quando um avião é encaminhado para revisão (check), os testes verificam ainda se o lixamento feito para tirar a corrosão não afinou a estrutura além dos limites permitidos. Ou para ver se, depois de uma colisão com um pássaro (bird strike), alguma peça ficou danificada. O trabalho ocorre durante a noite, no hangar.

O interesse de Núbia por saber como as coisas funcionam vem desde criança. “Quando eu tinha 9 anos, queria saber por que aparecia aquele bonequinho na tela do Tamagotchi”, diz, sobre o animal de estimação virtual que fez sucesso nos anos 1990. A experiência não deu muito certo, lembra. “Foi frustrante, porque eu queria ver como a imagem aparecia, mas não consegui.”

Núbia Fernandes. Foto: Divulgação/Azul

A curiosidade por tecnologia permaneceu. “Sempre gostei de saber como funciona um software, um motor. Isso é uma coisa que me atrai. Sou uma pessoa da área de exatas”.

A mãe de Núbia, no entanto, queria que ela seguisse carreira na área de medicina. Na tentativa de agradar à mãe sem se afastar de sua própria área de interesse, ela fez um curso de radiologia. As técnicas aprendidas podem ser aplicadas tanto em exames de saúde, como os de ressonância magnética, ou no setor industrial, quando se faz uma radiografia dos aviões para detectar falhas, fissuras e desgastes.

E foi por este caminho que ela seguiu, depois de fazer também curso técnico de ensaios não destrutivos no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial. Há cinco anos, ela trabalha na companhia aérea Azul.

Núbia reconhece que não é muito comum ver mulheres na área de manutenção de aviões – ela diz que, em uma equipe de mais de 100 pessoas, aproximadamente dez são mulheres. “Todas são apaixonadas pelo que fazem”, afirma.

A profissional diz não ter sentido nenhuma dificuldade maior em desempenhar sua função por ser mulher. O único desafio enfrentado, em sua opinião, foi o de ganhar a confiança da equipe no início da carreira. “Eu tinha 21 anos quando comecei na área, e tinha que falar com pessoas que trabalhavam com aquilo há 15, 20 anos, que não tinha ficado muito bom, que tinha de refazer. Era complicado, só que mais pela idade do que por ser mulher. Foi só o tempo necessário de adaptação, o tempo para eu mostrar minha capacidade. Tirei de letra.”

Núbia chegou a trabalhar em escritórios e num pet shop antes de seguir carreira na aviação.

Fonte: Uol

Comentários (0) Notícias

Leia mais

Correntes parasitas pulsadas (PEC): tudo sobre técnica

Correntes Parasitas Pulsadas (PEC – Pulsed Eddy Current) é uma técnica muito utilizada na indústria para inspeção quantitativa comparativa de medição de espessura, em materiais ferromagnéticos sob isolamento não condutivo como vasos e tubulações isoladas.

O ensaio por Correntes Parasitas Pulsadas pode ser realizado sem a necessidade de contato direto da sonda com o material a ser inspecionado, ou seja, pode haver ar, água, revestimentos, produtos de corrosão entre a área de inspecionada e a sonda.

Em que se baseia a técnica de Correntes Parasitas Pulsadas?

A técnica de Correntes Parasitas Pulsadas baseia-se no princípio da magnetização do material a ser inspecionado (chapa ou tubo) por uma sonda. Uma corrente elétrica é introduzida através de uma bobina indutora a qual magnetiza o aço próximo à sonda (Probe). A corrente é então desligada e, como resultado, há um decaimento do campo magnético presente no material.

Esta repentina alteração no campo magnético gera correntes parasitas, que se propagam no material e decaem em potencial na medida em que se propagam. O campo induzido por estas correntes parasitas é detectado por uma bobina presente na sonda PEC, e o sinal detectado é relacionado à espessura.

Em outras palavras, no caso de perda de material por corrosão, por exemplo, o tempo de decaimento será menor, pois haverá menos material para absorver o campo gerado pela sonda. Desta forma, é possível determinar com relativa precisão a perda de massa em tubulações e chapas em aço carbono, sem necessidade de remover o isolamento.

Principio básico de medição por Correntes Parasitas Pulsadas

A técnica de Correntes Parasitas Pulsadas obtém a medida da espessura da parede por uma média da área sob a sonda (área circular onde as correntes parasitas circulam). Isso torna o ensaio ideal para determinação de perda média de espessura de parede.

Diferença entre as técnicas: Correntes Parasitas e Correntes Parasitas Pulsadas

Considerada uma técnica não destrutiva avançada, as correntes parasitas pulsadas (Pulsed Eddy Current – PEC) utilizam um pulso como sinal de entrada, ao passo que as correntes parasitas convencionais usam um sinal senoidal. As vantagens da técnica de PEC sobre a técnica de correntes parasitas convencional de frequência única são: maior profundidade de penetração; maior riqueza de informação sobre os defeitos e maior robustez contra interferência. O ensaio por correntes parasitas pulsadas também exige uma instrumentação menos custos a, se comparado com o ensaio por multifrequência, o que também seria outra vantagem.

Aplicações da Técnica de Correntes Parasitas Pulsadas

Possíveis aplicações para a Técnica de Correntes Parasitas Pulsadas (PEC) são:

  • Corrosão Sob Isolamento Térmico (CUI – Corrosion Under Insulation)
  • Corrosão por Fluxo Acelerado (FAC – Flow Accelerated Corrosion)
  • Corrosão Sob Proteção Antichamas (CUF – Corrosion Under Fireproofing).
Por que o Ensaio Não Destrutivo de Medição de Corrosão por Correntes Parasitas Pulsadas é importante?

Equipamentos e componentes metalúrgicos sofrem a ação de processos corrosivos, que impõem a redução da espessura da parede, limitando as condições de operação e reduzindo, portanto, a sua vida útil. Dentre os ensaios não destrutivos a técnica de correntes parasitas pulsadas tem sido utilizada para inspeção de componentes metálicos revestidos. O ensaio por corrente parasita pulsada (PEC), difere da técnica convencional, por ser uma técnica multifrequência.

A inspeção periódica ou contínua de equipamentos para o monitoramento ou a detecção da corrosão, deve garantir o funcionamento das instalações industriais assegurando a integridade de todos, com o mínimo de custo aplicado. Para tal, técnicas de inspeção não destrutiva devem ser aplicadas a fim minimizar estes custos.

Comentários (3) Aplicações, Inspeções

Leia mais

Coteq 2017: Conferência de Tecnologia de Equipamentos para Indústria

A Coteq – Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos – é considerada um dos principais eventos da indústria brasileira. Ela abre espaço para discussões e avanços de pesquisas relacionadas aos segmentos de Ensaios Não Destrutivos (ENDs), Inspeção, Integridade de Equipamentos, Corrosão e Pintura, Análise Experimental de Tensões e Comportamento Mecânico dos Materiais. Em 2017, a Coteq está programada para os dias de 15 a 18 de maio no Rio de Janeiro (RJ).

O encontro é uma realização da Abendi, Abraco, ABCM e do IBP. A Coteq 2017 conta com participações de especialistas internacionais e espera reunir pelo menos 1,5 mil pessoas, entre acadêmicos, pesquisadores, engenheiros, técnicos e representantes de empresas em geral. O leque de discussões inclui 250 apresentações técnicas, painéis de debates, poster section, mesas-redondas, palestras especiais e conferências. Tudo dividido em eventos congregados à Coteq.

Programação da Coteq 2017

  • Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção (Conaend). Abendi
  • Conferência Internacional sobre Evaluación de Integridad y Extensión de Vida de Equipos Industriales (IEV). Promai
  • Congresso Brasileiro de Corrosão (Conbrascorr). Abraco
  • Seminário de Inspeção de Equipamentos (Seminsp). IBP
  • Simpósio de Análise Experimental de Tensões (SAET). ABCM
  • Simpósio Brasileiro de Tubulações e Vasos de Pressão – Estruturas e Termo hidráulica (SIBRAT). ABCM
  • Exposição de Tecnologia de Equipamentos para Corrosão & Pintura, END e Inspeção de Equipamentos (Expoequip).

Sobre a Abendi

Voltada à difusão das atividades de Inspeção e Ensaios Não Destrutivos (ENDs), preservando a vida e o meio ambiente, a Abendi mantém parcerias com entidades e empresas para disseminar o uso de ENDs, técnicas indispensáveis na inspeção de materiais e equipamentos sem danificá-los, sendo executadas nas etapas de fabricação, construção, montagem e manutenção.

A Abendi também é acreditada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, como Organismo de Certificação de Pessoal – OPC-002, conforme a Norma ISO 17024, para a qualificação e certificação de pessoal em END, baseada nos critérios da Norma ISO 9712.

Credenciada, desde 2003, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) como Organismo de Normalização Setorial (ONS-58), para a elaboração de normas de END; e pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) como instituição de Pesquisa & Desenvolvimento P&D, nas áreas de interesse da indústria petrolífera e também é acreditada pela ANP desde 2013 como Certificadora de Conteúdo Local.

A associação ainda é reconhecida como Entidade Tecnológica Setorial (ETS), pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, para a gestão tecnológica na área de END. Desde 2006, é qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), pelo Ministério da Justiça, que possibilita receber doações de empresas, dedutíveis do lucro operacional; desenvolver projetos do interesse do setor público; ações de formação e capacitação de pessoas; e a chance de receber bens apreendidos, abandonados ou disponíveis, administrados pela secretaria da Receita Federal.

Além disso, também possui acordos e convênios de cooperação técnica com instituições brasileiras e internacionais, como o BAM – Instituto de Materiais da Alemanha.

A Coteq 2017 promove uma oportunidade ímpar de atualização técnica e realização de negócios, não deixe de participar!

Para mais informações visite: www.coteq.org.br.

Fonte: Terra

 

Comentários (0) Feiras, Notícias

Leia mais

Phased Array com correção de superfície curva para VEO Plus

veo-plus-phased-array-banner

Por Renato Nogueira

A 55ª Conferência Anual de Ensaios Não Destrutivos da BINDT – The British Institute of Non-Destructive Testing teve como destaque o lançamento do VEO Plus PA-CSC da Sonatest, a mais recente solução de software para inspeção de cordões de soldas longos e superfícies curvas.

O evento que ocorreu entre os dias 12 e 14 de setembro de 2016 no Centro de Conferências East Midlands em Nothingam, Reino Unido, teve como destaque a mais moderna solução de software para inspeção de cordões de soldas longos e superfícies curvas: VEO Plus PA-CSC da Sonatest.

A utilização do método de phased array com correção de superfícies curvas é uma exclusividade da Sonatest, marca mundialmente conceituada no desenvolvimento de equipamentos para métodos de Ensaios Não Destrutivos e representada no Brasil pela empresa BC END. A Sonatest participou da Conferência e contou com a presença de profissionais importantes em seu stand. Não por menos, foi uma dos grandes destaques desse evento com o VEO Plus PA-CSC.

Este recente recurso oferece uma abordagem singular para inspecionar soldas com cordão longo e superfícies curvas. Os métodos tradicionais que são utilizados apresentam dificuldades que foram solucionadas por este novo método.

Os inspetores agora possuem a capacidade de detectar com maior precisão os defeitos e definir pontos focais de interesse em superfícies curvas e em soldas longitudinais. A solução é importante para a indústria, em especial nas áreas de petróleo e gás, e representa, sem dúvidas, um grande avanço.

Características do VEO Plus PA-CSC

02-sonastet-veofront-cover-perfomance-versatilidade-phased-array

  • Exclusivo para VEO Plus
  • Constante resolução espacial
  • Varredura Multiscan da solda
  • Maior probabilidade de detecção

Onboard – Phased Array Correção superfície curvada

  • Sobreposição parte curva
  • Correção no dimensionamento da descontinuidade
  • Direcionamento e focos reais
  • Melhoria da relação sinal-ruído

Onboard – Suporte em 3D para análise de resultados

  • Interpretação de dados
  • Configurações de gates
  • Localização do defeito

Onboard – Auxílio da projeção em 3D da solda

  • Arquivos de configuração editáveis
  • Plano de digitalização e varredura de solda

Comentários desativados em Phased Array com correção de superfície curva para VEO Plus END, Notícias, Produtos, Software, Sonatest

Leia mais

Eddyfi adquire Silverwing e funda a Eddyfi Technologies

Como parte da estratégia de crescimento da Eddyfi, a mesma adquiriu a Silverwing, empresa com mais de 30 anos de experiência em ensaios eletromagnéticos por MFL e Ultrassom, focados na inspeção de tanques de armazenamento, vasos e tubulações.
 
Veja, abaixo, carta redigida pela empresa e Continue Reading

Comentários (0) Eddyfi, END, Institucional, Notícias, Representadas, Silverwing

Leia mais

Sonatest VEO+: A perfomance e a versatilidade do Phased Array levadas ao limite

Versões 16:64PR, 32:64PR, 16:128PR e 32:128PR são atualizáveis entre si via código de ativação e permitem ao cliente escolher o equipamento ideal para sua aplicação, sem a preocupação de adquirir um dispositivo básico e o mesmo não atender em uma aplicação mais crítica. É só atualizá-lo e pronto! Mais potência há um código de distância!
Continue Reading

Comentários (0) END, Equipamentos, Produtos, Representadas, Sonatest, Ultrassons Avançados

Leia mais

Projeto mineiro receberá 5 milhões para pesquisa de inovação industrial

Um dos sete projetos escolhidos para funcionar como unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) é mineiro, de Uberlândia. Ele foi concebido por Continue Reading

Comentários (0) Mercado, Notícias

Leia mais