Belo Horizonte - Matriz

Rua Santa Quitéria, 541

São José dos Campos - Filial

Rua Lucélia, 823

Atendimento

(31) 3462-5668

Como os ensaios não-destrutivos podem melhorar a eficiência na gestão do ciclo de vida dos ativos da indústria

Uncategorized

Como os ensaios não-destrutivos podem melhorar a eficiência na gestão do ciclo de vida dos ativos da indústria

Podemos definir ativo, como qualquer material que faz parte da estrutura física de uma indústria. Dentro dessa relação de ativos, cada equipamento possui seu ciclo de vida, seja ele um equipamento de grande porte, como um moinho de mineradora ou até um menor, como uma válvula. Cada ativo possui seu planejamento, sua construção, seu tempo de operação e troca/renovação e os ensaios não-destrutivos estão presentes em todas as etapas do chamado “ciclo de vida” do ativo.

Um moinho de mineradora é um equipamento que faz a trituração do minério que chega através das esteiras e normalmente é um equipamento de grande porte, composto por várias partes, como tampas de carga e descarga, virolas centrais e munhão, sendo que todas essas partes são fixados por parafusos essenciais. Em sua fase de planejamento são definidos detalhes dimensionais do Moinho e todas as informações são colocadas em um documento, chamado de “book”, onde tem todas as informações completas desse equipamento, além da definição sobre os ensaios não destrutivos que serão realizados e os critérios de aceitação pela engenharia do projeto.

Na construção do moinho são utilizados os ensaios de Líquidos Penetrantes e Ultrassom, sendo o método de ultrassom, utilizado algumas técnicas, como Pulso Eco, Phased Array e Medição de Alongamento e Tensão em Parafusos. A Técnica de Ultrassom de Medição de Alongamento e Tensão em Parafusos é aplicada desde a construção até o fim da vida útil de todos os parafusos de sustentação de um moinho, pois o acompanhamento dos parafusos é realizado desde sua condição original, sem ter recebido nenhum tipo de força, ou seja, antes de ser torqueado, e vai sendo medido em todas as etapas do ciclo de vida do equipamento.

Dakota Ultrasonics é responsável pela fabricação dos equipamentos de medição de alongamento e tensão de parafusos, desenvolvidos exclusivamente para atender essa área de inspeção. Os modelos MINI-MAX e Max II, são os equipamentos capazes de acompanhar a vida útil dos parafusos de sustentação empregados.

O MINI-MAX pode medir o alongamento com precisão milésimos de milimetros, em parafusos de inúmeros materiais, sendo eles de 1/2 polegada a 15 metros de comprimento. A medição é obtida determinando a mudança no tempo de percurso sônico de uma onda ao longo do comprimento do parafuso à medida que o parafuso é apertado usando um método mecânico. O tempo é então convertido em alongamento, carga, tensão e deformação percentual.

O MAX II incorpora muitos dos recursos encontrados em outros monitores de tensão de parafuso da Dakota Ultrasonics com alguns benefícios adicionais em termos de recursos, hardware, velocidade e comprimento, mede com muita precisão fixadores de até 30 metros (100 pés) de comprimento.

A técnica de medição de alongamento e tensão em parafusos é pouco conhecida, o que leva alguns inspetores a usarem a técnica de medição de espessura por ultrassom como alternativa para essa aplicação, porém os medidores de alongamento levam em consideração entre muitos outros fatores, o torque aplicado e o alongamento, que normalmente é o mínimo e com um equipamento específico é possível medir milésimos de milímetros.

Portanto, qualquer organização que queira manter seus ativos funcionando por mais tempo, deve investir em equipamentos adequados às suas necessidades e investir em capacitação profissional para a realização dos ensaios não destrutivos, com isso irá melhorar a eficiência da gestão do ciclo de vida dos ativos obtendo economia de tempo e recursos. 

Compartilhe essa matéria:
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *