bcend@bcend.com.br

+55 31 98456-0323

+55 31 3462-5668

bctrade2

MFL – Floormap 3Di x Floormap 3D: O que mudou?

Comentários (0) Aplicações, Equipamentos, Notas, Silverwing, Sistemas MFL

A Silverwing lançou recentemente o Floormap 3Di e o modelo anterior, 3D, pode ser atualizado para obter os mesmos recursos. Mas, afinal de contas, o que há de novo nessa versão e por que o usuário deve migrar para este modelo?
MFL - Floormap 3Di x Floormap 3D: O que mudou?
O Floormap 3Di representa o que há de mais moderno em tecnologia de inspeção por MFL, tanto em hardware quanto em software. Este lançamento também marca uma nova lógica de atualização de equipamentos de um versão anterior para uma mais recente, com o objetivo de agilizar tal processo e de reduzir custos.

Atualização: como era e como é hoje

Antigamente, equipamentos como o Floormap 2000, VS, VS2i e etc. eram passíveis de atualização, porém o procedimento demandava o retorno da unidade para a fábrica da Silverwing, onde componentes seriam substituídos por outros mais modernos, assim como software.  Tal processo seria bastante custoso – levando em conta os altos valores de transporte internacional – ou, até mesmo, inviável para alguns clientes.
A ideia iniciada como o Floormap 3D é de tornar o processo de atualização o mais simples possível. Conceito, este, que está alinhado com a política da Silverwing de desenvolvimento contínuo para tornar acessível ao cliente as tecnologias e recursos mais modernos.
Para isso, investiu-se nos mais avançados hardwares, para que não haja limitação de performance. Ao mesmo tempo, estes componentes são programáveis através de atualizações de firmware e software, o que proporciona o incremento de performance e recursos sem necessidade da troca de nenhum componente físico do sistema.

Custo

Toda essa nova logística representa um grande redução de custo, considerando os valores envolvidos nos processos importação e exportação, no Brasil. Isto, sem considerar os custos do serviço de atualização (troca de componentes, testes, upgrade de software) o que, por si só, já representaria um custo maior que no modelo atual.
Em resumo: o usuário está adquirindo equipamento complemente novo em recursos fazendo um investimento significativamente menor.

E quais são estes novos recursos?

O novo conjunto de sensores de alta resolução (256, no total) do Floormap 3D permitiu apresentar grandes melhorias em versões futuras, como a 3Di. Podemos destacar os seguintes pontos:
  1. Melhoria na precisão do dimensionamento de defeitos: o avanço no método de processamento de sinal permite a representação mais fiel da área e profundidade da descontinuidade encontrada;
  2. Melhoria na identificação de defeitos em cima e embaixo da chapa inspecionada: principal recurso que distingue o equipamento da maior parte da concorrência está mais preciso;
  3. Novo método de calibração: melhora a repetibilidade dos resultados e a precisão no dimensionamento das descontinuidades;
  4. Melhoria na eliminação de ruídos e falsas indicações: novo método de processamento de sinais apresenta melhorias significativas principalmente em chapas mais grossas (que não facilmente saturadas magneticamente pelos imãs) e com revestimento irregular.

Vista MFLi e Cursor Dinâmico

Os trabalhos de desenvolvimento da Silverwing também levaram criação de duas ferramentas:  a vista MFLi, um novo método de exibir os dados coletados, e o Cursor Dinâmico, para auxiliar na classificação de descontinuidades.
  • Vista MFLi – Trata-se de uma nova forma de exibição dos dados registrados pelo software do Floormap. Esta vista dá ao operador mais recursos para classificar tipos de defeitos e também permite identificar pittings bem pequenos, os quais não seriam vistos em versões anteriores do Floormap. A Vista MFLi também auxilia na distinção entre corrosões “reais” e indicações “artificiais”, causadas por choque com soldas ou deformidades do revestimento do fundo do tanque;

MFL - Floormap 3Di x Floormap 3D: O que mudou?

  • Cursor Dinâmico – Uma questão chave relacionada ao ensaio de MFL é que se trata de uma avaliação volumétrica. Ou seja, o equipamento é calibrado para identificar e dimensionar um determinado tipo de descontinuidade; indicações com proporções diferentes das utilizadas como referência na calibração poderão se exibidas de maneira imprecisa na vista MFL. Para auxiliar o operador na identificação desta indicações fora do padrão, foi inserido o Cursor Dinâmico. Este se apresenta como um padrão de comparação para que o usuário compare com a indicação; as que possuírem proporção próximas às do cursos são mais prováveis que tenham sido medidas corretamente pelo software. Já as fora do padrão deverão ser conferidas com ensaio ultrassônico. Este proporciona uma abordagem muito mais precisa, focando a confirmação por ultrassom apenas nos pontos realmente relevantes.

MFL - Floormap 3Di x Floormap 3D: O que mudou?

Outras Melhorias

 

  • Arquivamento de Dados: a transferência de dados está 16 vezes mais rápida no 3Di, comparado ao 3D, e os dados são automaticamente compactados em formato zip, resultando em arquivos menores para gerenciar;
  • Exportação de Registro de Calibração: agora, é possível exportar os registros de calibração para inclusão no relatório final, tornando um ponto importante para tornar a inspeção mais auditável;
  • Representação Mais Fiel da Descontinuidade: graças ao novo método de análise de dados, as imagens exibidas pelo 3Di são mais próximas à realidade;
  • Plataforma atualizável: outros recursos e modos de varredura como o do MFLi3000 podem ser adicionados;
  • Vantagem competitiva: clientes podem manter seus ativos atualizados a um custo reduzido, mantendo sua competitividade mesmo com entrada de novos concorrentes.

MFL - Floormap 3Di x Floormap 3D: O que mudou?

Vídeo: Magnetic Flux Leakage (MFL) storage tank bottom scanner the Floormap3Di

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *